Mahjong Ways

PUBLICIDADE

Thiago Camilo busca título inédito na Stock Car: ‘Melhor momento da carreira’

Líder do campeonato, piloto da Ipiranga Racing vive temporada promissora com duas vitórias

PorLeonardo Catto
Atualização:

Thiago Camilo vai para a sexta etapa da Stock Car 2023, no Autódromo Velocitta, em Mogi Guaçu (SP), neste domingo, com 30 quilos a mais no carro. É o peso que o líder do campeonato carrega, pelo regulamento da competição. Na temporada, porém, o piloto da Ipiranga Racing tem demonstrado leveza ao conquistar duas vitórias, controlar “o que pode” e mirar no título inédito da maior modalidade do automobilismo brasileiro.

PUBLICIDADE

São 20 anos na Stock Car. Atualmente, Thiago é o piloto em atividades com mais vitórias, mas sem títulos. São 39 triunfos. Mesmo que a profissão seja correr, ele não se afoba para conquistar o campeonato. “Eu aprendi a controlar o que posso controlar. Quanto a o que está sendo feito (para brigar pelo título) não falta nada. Só vou poder dizer depois da última etapa, em Interlagos. A gente está muito focado nisso, ao nosso controle. Meu entrosamento está cada vez melhor. Isso soma força. É o meu melhor momento da carreira”, avaliou o piloto para o Mahjong Ways Esporte Clube.

Thiago lidera o campeonato com 151 pontos. Atrás dele, vem Gabriel Casagrande, da A.Mattheis Vogel, com 134. A vantagem pode parecer boa, mas basta uma etapa para o cenário mudar. Cauteloso, o piloto segue a máxima de “não poder parar”. “É manter o pé no chão. Essa vantagem não é significativa nessa altura do campeonato. Não dá para achar que, por estarmos nesse momento, ele vai se manter até o final”, analisa. Em Velocitta, o retrospecto é bom, já que ninguém tem mais vitórias por lá que Thiago. São três triunfos, dois em 2019 e um em 2021.

Thiago Camilo, em Mogi Guaçu (SP), depois de ter pedalado cerca de 150 km desde a capital paulista. Foto:Duda Bairros


É o meu melhor momento da carreira

Thiago Camilo, líder da Stock Car em 2023

O ‘quase’ já foi obstáculo no caminho de Thiago Camilo

Não ter o título no currículo não significa que o piloto da Ipiranga Racing não é competitivo. Foram três vezes em que Thiago Camilo quase foi campeão da Stock Car. A primeira foi em 2011, quando ele venceu três corridas e liderou o campeonato. Porém, na época, havia uma “final” com as quatro últimas corridas, em que os primeiros colocados tinham a pontuação zerada. Logo na primeira corrida dessa segunda etapa, um problema no motor prejudicou a busca pelo título.

A segunda vez foi a mais dolorida, em 2013. Thiago tinha uma mão na taça e liderava a última corrida, em Interlagos. Para perder o título, somente se Ricardo Maurício o ultrapassasse e Thiago caísse para sexto. A duas voltas do fim da prova, um problema no câmbio levou Thiago para a sétima colocação. Ricardo Maurício avançou e terminou em segundo, vencendo o campeonato por um ponto de vantagem.

Na mais recente, em 2019, 30 pontos davam vantagem ao piloto quando a Stock Car chegou a Santa Cruz do Sul (RS). Novamente, um problema no motor o tirou da etapa inteira, e ele saiu de lá 30 pontos atrás do líder. Ainda deu para correr atrás, mas Thiago terminou o campeonato com oito pontos a menos que o campeão Daniel Serra.

“Sinceramente, o que poderia ser feito diferente não é uma coisa que está clara na minha mente. Mas acho que a evolução é constante. Sou um piloto mais completo. Tanto física quanto mentalmente. E a equipe também. Aprendi a controlar o que está ao meu alcance”, acredita Thiago. A preparação física é forte mesmo. O atleta foi a Mogi Guaçu, saindo de São Paulo, de bicicleta. Foram quase 150 km de pedalada. Além da preparação física, Thiago Camilo sente que tem o melhor ao seu dispor: ‘Essa sorte, de estar com profissionais muito bem gabaritados na categoria, sempre tive. E pude, ao longo dos anos, adquirir experiência para administrar situações de forma melhor para brigar pelas primeiras posições’.

Publicidade

Temporada marca homenagem ao tio, principal incentivador do piloto

Outra mudança na temporada de Thiago é o número do carro. Fiel ao 21, o piloto adotou o 16, em homenagem ao tio e ex-piloto, Sérgio Camilo, que morreu poucos dias antes da primeira etapa do ano. “Procuro levar isso como um motivo a mais. Meu tio talvez tenha sido o maior incentivador da minha carreira. Sempre corri com o número 21 e fui fiel a ele. É um modelo que faz sucesso até em categorias internacionais, a associação ao seu número, É muito mais visível, já que não se tem acesso a nossa imagem. O número em si eu iria ter só para a corrida (de Goiânia), mas mantive. Tenho certeza que ele estava comigo nessa e vamos até o final do ano”, conta.

A Stock Car acelera no Autódromo Velocitta, em Mogi Guaçu, já no sábado, 5, para o classificatório, às 13h. No domingo, a rodada dupla tem a primeira corrida às 11h30, e a segunda prevista para 12h10. A etapa é transmitida ao vivo pela Band (TV aberta), canais SporTV (TV fechada) e no YouTube da categoria.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Mahjong Ways.

Mahjong Ways Mapa do site