Mahjong Ways

Entenda o que é meta de inflação e qual será o impacto das mudanças feitas pelo CMN

Em reunião realizada nesta quinta-feira, Conselho Monetário Nacional definiu que a meta de inflação deixará de ser pelo ano-calendário e passará a ser contínua

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
PorRedação
Atualização:

OConselho Monetário Nacional (CMN) definiu nesta quinta-feira, 29, que o Brasil passará a adotar, a partir de 2025, o sistema de metas deinflação contínuas. Segundo o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, a mudança em relação ao modelo atual, de ano-calendário, é fundamental para o futuro do País. “O Brasil estará em sintonia com demais países do mundo”, disse. Entenda as mudanças definidas pelo CMN:

O que é meta de inflação?

O Conselho Monetário Nacional (CMN), que reúne os ministros da Fazenda e do Planejamento e também o presidente do Banco Central, define, periodicamente, uma meta para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para o ano. Cabe ao Banco Central perseguir essa meta, usando os instrumentos de política monetária ao seu alcance - sendo a taxa de juros (Selic) o principal deles. Quando a meta não é cumprida, o presidente do BC precisa enviar uma carta ao ministro da Fazenda se justificando pelo descumprimento. Para este ano, a meta de inflação no Brasil é de 3,25%. Para os próximos anos, pelo menos até 2026, a taxa ficou fixada em 3%, sempre com margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual, para mais ou para menos.

O que mudou na meta de inflação na reunião desta quinta-feira, 29, na reunião do CMN?

Até agora, a meta de inflação era válida para o ano-calendário. Ou seja, o que importava era que estivesse dentro da meta no dia 31 de dezembro, mesmo que ficasse fora durante todo o ano. A partir de 2025, quando o Banco Central terá um novo presidente, essa meta passará a ser contínua, como já ocorre na maioria dos países que adotam o sistema de metas de inflação. Isso significa que o BC terá de olhar permanentemente para a meta, e não apenas para o resultado no fim do ano.

Quais os parâmetros desse novo sistema de meta contínua?

PUBLICIDADE

Não foram divulgados esses parâmetros. Ainda será preciso definir detalhes do sistema, especialmente em relação aos prazos de verificação da meta e a prestação de contas do Banco Central sobre o cumprimento ou não do objetivo. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, deu, na entrevista concedida após a reunião do CMN, apenas pistas nessa direção. Segundo ele, “na prática”, o horizonte para atingir o alvo inflacionário será de 24 meses, mas não explicou o porquê dessa afirmação nem trouxe mais detalhes. Em outro momento, porém, o ministro disse que a decisão do horizonte será do próprio BC.

Em relação à prestação de contas, Haddad disse que a carta de prestação de contas terá, no mínimo, periodicidade anual, mas que tende a ser mais frequente, já que o objetivo é contínuo, isto é, em tese, deveria ser cumprido o tempo todo.

Fernando Haddad, ministro da Fazenda  Foto:André Borges/EFE

O que, na prática, essa mudança pode significar?

Para os especialistas, a mudança para a meta contínua pode ajudar o Banco Central a administrar choques inflacionários. Entre março de 2021 e agosto de 2022, por exemplo, o Copom elevou os juros de 2% ao ano para o atual patamar de 13,75% ao ano para tentar combater o aumento da inflação em função dos choques provocados pela pandemia. “Essa mudança ajuda a ter uma volatilidade menor na taxa de juros, porque o BC passa a olhar sempre para um horizonte constante. Não precisa fazer movimentos fortes”, afirma Rafaela Vitória, economista-chefe do banco do Inter.

Um outro ponto destacado é o de que o novo regime reduz o risco de populismo econômico. Para deixar a inflação dentro dos limites estabelecidos pela meta no fim do ano, muitos governantes optavam por segurar tarifas de transporte público, preços de combustíveis e de energia elétrica.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Mahjong Ways.

Mahjong Ways Mapa do site