Mahjong Ways

Deflação na China: moradores estão preocupados com empregos e sobrevivência dos negócios

Oito meses após fim das restrições contra a covid, país enfrenta recorde de desemprego juvenil, queda no mercado imobiliário e gastos estagnados

PUBLICIDADE

PorLi Yuan

Quando o governo chinês encerrou abruptamente suas rigorosas medidas de combate à Covid-19 em dezembro, muitos chineses esperavam uma forte recuperação da demanda reprimida. Oito meses depois, a China está enfrentando, em vez disso, uma acumulação de más notícias: recorde de desemprego juvenil, uma profunda queda no mercado imobiliário, gastos estagnados e até mesmo deflação.

Em meio à deflação, chineses estão desesperançosos em relação aos empregos e à sobrevivência dos negócios  Foto:REUTERS/Tingshu Wang/File Photo

PUBLICIDADE

Isso é um choque para muitos chineses acostumados a uma economia que continuava a crescer e padrões de vida que aumentavam junto. Agora eles estão lidando com negócios em desaceleração e fortunas pessoais encolhendo.

Conversei com mais de uma dúzia de proprietários de empresas e consumidores, como venho fazendo há anos, e posso relatar: A confiança dos proprietários de empresas e consumidores no futuro da economia e do país está no nível mais baixo. Se antes tinham esperança de uma recuperação, essa esperança foi extinta. Eles temem que isso seja o início de algo que não ousam imaginar e temem que o governo não tenha soluções. As más notícias continuam chegando.

“O mais assustador é que todos ao meu redor estão perdidos sobre o que fazer a seguir”, disse Richard Li, proprietário de um negócio de atacado de peças automotivas. “Costumava acreditar que nosso país se tornaria cada vez melhor.”

No primeiro semestre de 2023, a receita do negócio de Li caiu 15% em relação ao ano anterior, quando a cidade onde ele mora — juntamente com mais de 10 milhões de outras pessoas — ficou em lockdown por semanas. Ele descobriu que outras empresas como a dele também estavam enfrentando dificuldades. Alguns de seus clientes, oficinas de reparo automotivo, até fecharam as portas porque os donos de carros estavam reduzindo os gastos.

Li tinha quatro lojas e fechou duas delas. Dispensou dois terços de seus funcionários e parou de investir em novos produtos. Também reduziu as refeições fora de casa e o convívio com seus amigos. Com pouca liquidez, ele tentou vender um apartamento que comprou em 2020 como investimento. Mas houve poucas consultas, mesmo depois de reduzir o preço para US$ 400 mil, de US$ 500 mil.

Está ficando mais difícil para pessoas como Li confiar no governo chinês para saber o que está acontecendo na economia. Dados que eram divulgados havia anos foram retidos. Na semana passada, o governo parou de compartilhar a taxa de desemprego de jovens depois que os dados atingiram 21,3% em junho.

Publicidade

Mas um conjunto de dados oficiais que o governo estava disposto a compartilhar sobre julho foi ruim o suficiente. Os preços ao consumidor na China caíram no mês passado pela primeira vez em mais de dois anos. Bancos chineses estenderam US$ 47,5 bilhões em novos empréstimos em yuan, queda de 89% em relação a junho — e metade do valor do ano anterior. As vendas de imóveis em termos de área caíram 6,5% nos primeiros sete meses do ano, após encolher quase um quarto no ano passado. Em um país onde três quintos dos ativos familiares estão vinculados a imóveis, essa queda é alarmante. A ansiedade está tão alta que as pessoas estão usando uma rede social chamada Xiaohongshu para postar talismãs que acham que poderiam ajudá-las a vender casas.

A China entrou na deflação depois que a política draconiana de “zero-Covid” do governo suprimiu drasticamente o consumo e a atividade comercial no ano passado. Chenggang Xu, um economista da Universidade Stanford, explicou por que a deflação pode ser perniciosa. “O melhor cenário é que todos esperem que os preços continuem diminuindo, então eles continuarão esperando que os preços caiam ainda mais”, disse ele. “O pior cenário é que as pessoas estão muito assustadas e ansiosas.” O medo em relação aos empregos ou à sobrevivência dos negócios, disse ele, os levará a poupar mais e gastar menos, empurrando a economia ainda mais para a armadilha da deflação.

Com a ansiedade aumentando, as pessoas já estão economizando mais e gastando menos. Cob Liu, fundador de uma startup educacional em uma grande cidade no sudoeste da China, disse que sua receita permaneceu estável este ano, o que é ruim para uma empresa que costumava crescer 40% ao ano. Liu, na casa dos 30 anos, tem cerca de US$1,5 milhão em dinheiro, mas está determinado a manter seus gastos mensais em torno de US$ 800, metade dos quais vai para o aluguel. Ele vai manter seu Toyota Corolla de cinco anos e não comprar propriedades tão cedo. Ele comprou apartamentos em dois complexos em 2019, e os desenvolvedores de ambos pararam de construir por falta de dinheiro. Isso é um pesadelo que centenas de milhares, senão milhões, de chineses estão passando desde que o boom imobiliário chegou a um fim repentino.

Liu acredita que a queda na economia chinesa pode se arrastar por anos. Ele vendeu todas as suas posições em ações da China continental este ano e disse que não compraria ações de nenhuma empresa chinesa, mesmo que fossem negociadas em Nova York ou Hong Kong.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Até mesmo os empreendedores que estão indo bem relutam em obter empréstimos por causa de suas perspectivas incertas. Mark Fu, fundador de uma consultoria financeira com escritórios em Chengdu e Hong Kong, disse que seu negócio está indo bem este ano. Muitos chineses ricos, explicou, perceberam durante a pandemia que o dinheiro não poderia comprar segurança ou dignidade e buscaram sua ajuda para transferir seus ativos financeiros para fora da China. Bancos ofereceram empréstimos comerciais a baixas taxas de juros, mas ele está relutante em se endividar. Em vez de expandir, ele reduziu sua equipe para 10 funcionários de 12 por meio de aposentadorias.

Ele disse que ficou horrorizado com os ataques do governo a uma indústria após outra durante a pandemia. Ele costumava acreditar que, se trabalhasse duro, teria sucesso. Agora ele teme que a maneira como ele administra seu negócio não seja o que mais importa. “O governo vai acabar com todos vocês de uma vez?”, ele perguntou. “Ou deixar você ganhar dinheiro?” Ele também tem um apartamento que não conseguiu vender.

O clima nas redes sociais se tornou tão sombrio que um comentário no Securities Daily, uma publicação oficial, pediu a supressão de postagens que especulam sobre problemas futuros. A propagação de rumores havia causado flutuações no mercado, disse o artigo, citando manchetes como “A versão chinesa do Lehman Brothers está chegando!” e “Uma corretora realizará uma teleconferência sobre ‘a hora mais sombria’”.

Publicidade

As pessoas estão desesperadas porque não conseguem imaginar como a China pode sair de sua espiral descendente. Elas acreditam que a raiz dos problemas está na ideologia de Xi Jinping, líder supremo da China, que parece não gostar do setor privado e desmantelou elementos da economia de mercado que fizeram da China um sucesso econômico.

Aos 35 anos, Andy Wang deixou o emprego em um banco este ano para se preparar para se inscrever em uma universidade na Austrália. Ele ficou desanimado no outono passado quando um grupo de novos líderes do partido foi anunciado, todos protegidos de Xi. “A capacidade corretiva deste país se perdeu depois disso”, ele disse. Seus pais são ricos, mas ele é pessimista em relação às oportunidades que eles costumavam desfrutar. “Não consigo ver nenhuma maneira de ganhar dinheiro neste país”, ele disse. “Não tenho certeza nem se posso manter meu padrão de vida atual. Só posso lutar pela sobrevivência.”/The New York Times

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Mahjong Ways.

Mahjong Ways Mapa do site